Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Supera-TE

Supera-TE

Ser professor em Inglaterra

Saí de Portugal, não por absoluta necessidade, saí por opção.É um facto que estava desempregada, mas tinha um projecto profissional que me poderia manter ligada ao ensino. Adorava ensinar mas estava cansada, desmotivada e revoltava com o rumo que o ensino e que o país estava a tomar. Portugal é um país onde cada vez se valoriza menos os professores, onde se destrói lentamente a escola pública e tudo o que a associa ao futuro do país. 

(Curiosamente é um país cujo sistema de ensino tem inúmeras potencialidades, mas que ninguém valoriza porque o que é de fora é sempre melhor.)
O meu companheiro repetia todos os dias que era preciso arriscar, mudar, viver novas experiências e quem sabe ter uma vida melhor. 
Escolhemos um país onde não tínhamos ninguém, mas com o qual nos identificávamos muito, pelo seu acesso à cultura, que tanto gostamos, pelo espírito da cidade multicultural e porque é um facto, em Londres é difícil sentir-se  emigrante, porque o espírito da cidade nos faz sentir como se tivéssemos vivido nela por quase toda a nossa vida. 
O motivo final que me/nos levou a mudar foi a possibilidade quase única na Europa de continuar a trabalhar como professora sem grandes burocracias. 

Ser professora em Inglaterra, não é de forma nenhuma a mesma coisa que o ser em Portugal. É preciso reaprender métodos de ensino e estratégias de gestão de comportamento. É preciso estar preparado para encontrar em cada escola uma maneira diferente de fazer as coisas. É preciso ter um espírito aberto e aceitar que nem sempre se faz é o melhor para os alunos, mas sim para mostrar a quem está de fora.  Dar aulas em Inglaterra é constatar que a Inglaterra não tem um dos melhores sistemas de ensino da europa, como se vai lendo aqui e ali. 

Ser professor em Inglaterra é tal como em Portugal  "dar o corpo ao manifesto", trabalhar muitas horas e isso pode significar começar ás 7.30 da manhã e terminar ás 6 da tarde, ininterruptamente. 
 
Porém, ser professor em Inglaterra é também ter férias de 6 em 6 semanas, é ter contacto com uma multiculturallidade de alunos absolutamente fascinante, gerir o biliguismo e ás vezes trinlinguisnmo dos nossos alunos, é poder criar recursos dinâmicos e interactivos sem a obrigatoriedade dos manuais e é ter a possibilidade de ensinar o curriculo inglês que é adoptado por todo o mundo e que consequentemente nos abre portas  para ensinar no mundo inteiro. 

Ser professor em Inglaterra é um desafio que nos obriga a superar-nos a nós mesmos, que faz de nós pessoas mais resilientes e com mais abertura de espírito.É fazer-nos acreditar que "tudo vale a pena quando a alma não é pequena".  

 

 



 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D