Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Supera-TE

Supera-TE

Superar-se na Alimentação - As receitas #2

Crumble de Maçã e Frutos Vermelhos

Esta receita de crumble é divinal. Tenho feito todos os fins de semana. Comemos como sobremesa e como não têm açúcares refinados acompanhamos com iogurte natural ao pequeno almoço.  Deliciosa! 

 

Para a cobertura:

- 1 e 1/2 chávena de aveia

- 1 chávena de amêndoas

- 1/3 de chávena de mel ou outro adoçante natural

- 3 colheres de sopa de óleo de côco  ou azeite

- 2 colheres de chá de canela

Para a camada de fruta:

- 6 maçãs vermelhas

- 2 chávenas de frutos

- 1 colher de sopa de de mel ou outro adoçante natural

- 1pau de canela

 

Comece por fazer a camada de crumble. Coloque as amêndoas num processador e bata por alguns minutos até formar uma farinha, em seguida, adicione a farinha para uma tigela com a aveia. Depois coloque o óleo de côco, o mel e a canela numa panela e aqueça suavemente até que o côco se derreta - despeje esta mistura sobre a mistura de aveia e amêndoa e mexa bem. Deixe repousar.

 Descasque as maçãs e retire o núcleo, corte e rale as maçâs. Coloque a maçã ralada numa panela junto com os frutos vermelhos e um pouco de água a ferver,  apenas o suficiente para cobrir o fundo da panela, aproximadamente 1 cm. Adicione o mel e o pau de canela. Deixe cozinhar por cerca de dez minutos, até que a fruta fique macia. 

Enquanto isso  pré-aqueça o forno a 180ºC.

Ponha a fruta na  parte inferior da  assadeira e  a cobertura por cima. Em seguida, leve ao forno por 25-30 minutos ou até a parte superior dourar.

 

WP_20151031_006.jpg

 créditos da imagem@CL dos livros já recomendados aqui.

Superar-se na Alimentação - As receitas #1

Esta é a receita de barras de cereais que faço semanalmente. São absolutamente deliciosas e podemos comê-las a qualquer hora do dia! E......só têm açúcares naturais. 

 

Faz 20 barras 

- 400 g de aveia

- 20 tâmaras medjool (400g) (substítuo por mel q.b.)

- 300ml de água

- 200g de passas

- 100g de sementes de girassol

- 3 colheres de sopa de óleo de coco ou azeite

- 4 colheres de sopa de sementes de chia com 16 colheres de sopa de água

- 2 colheres de chá de canela

Comece por pré-aquecer forno a 200ºC

Em seguida, ponha as sementes de chia e água numa caneca. Deixe esta mistura repousar por cerca de dez minutos até se formar um gel. Enquanto se forma gel de chia, triture as tâmaras e coloque-os em uma panela com o óleo de coco. Deixe as tâmaras e o óleo de coco derreter por cerca de cinco minutos - até que as tâmaras fiquem macias. (Se usar mel em vez de Tâmaras aqueça-o também com o óleo de côco até ficar liquido) 

Em seguida, coloque as tâmaras evo óleo de coco num liquidificador com a água e misture até obter uma pasta lisa. (Saltar este passo se usar mel.)

Adicionar a aveia, sementes de girassol, passas e canela para uma tigela e misture as tâmaras. Em seguida, adicione o gel de chia á mistura.

Forre uma assadeira  com papel manteiga. Depois despeje a mistura num tabuleiro e espalhe-a uniformemente.

Coloque o tabuleiro no forno por aproximadamente 25 minutos ou até dourar.

Tire a assadeira do forno e deixar arrefecer por 15 minutos. Corte em barras. 

Armazene as barras em um recipiente hermético, em temperatura ambiente.

granola-bars2blog-460x439.jpggranola-bars3blog-460x456.jpg

 

granola-barsblog-460x431.jpg

 créditos da imagem Deliciously Ella

Paris

Escrito  a 1 de Maio de 2012 :

 

 

Uma, duas, três, quatro…. Esta é a quarta vez que venho a Paris e esta é talvez a melhor das vezes. Passeio sozinha pelas ruas como se cá estivesse desde sempre, olho a imensidão de pessoas que circulam e um lado para o outro e apetece-me caminhar, caminhar sem mais parar. Olho os edifícios, os monumentos e respiro a sua beleza. Penso a cada passo que dou, há poucas cidades tão belas como esta e apetece-me andar, respirar e nunca mais parar.

Sinto-me personagem do filme de Woody Allen e ecoa no meu ouvido a sua banda sonora. Paris inspira-me, Paris faz-me sorrir e acreditar que o amanhã será tão belo como esta cidade.

 

 

 

InstagramCapture_9765fd70-b962-4e18-bc02-3b0f81d00

 

 

InstagramCapture_48787068-049f-41e7-8a27-babdf032e

InstagramCapture_a9c014db-ca51-49a1-863f-80d6a3433

InstagramCapture_b3fce53a-c523-484d-b56e-8589961df

WP_20151026_007.jpg

WP_20151026_011 (2).jpg

WP_20151026_081.jpg

WP_20151026_082.jpg

WP_20151026_100.jpg

 

 

WP_20151026_114.jpg

 

 imagens Outubro de 2015 @CL

 

Aproveitar o agora

Uma semana que passou a correr.

A entrar de cabeça em projetos que nunca acreditaria encontrar-me.

A entrar com o empurrão da cara metade, como quase em tudo na vida, que envolva riscos e grandes mudanças.

Afinal, amor também é isto: se falharmos, falhamos os dois; se vencermos, venceremos os dois.

A conhecer gente nova e a ter noção que há muito para aprender.

Na labuta contínua de gerar emoções, frustrações e ansiedade.

A fazer pela vida e a rir-me das voltas que a vida dá.

Por muito que o caminho pareça estreito, vale sempre a pena tentar passar.

A perceber que o certo nunca existiu da forma como o via.

O certo é apenas o agora, nunca o amanhã.

Deixar o amanhã para seu tempo e viver apenas o agora, com foco e disciplina.

A vida nunca será uma prova Superada, a vida é uma prova para ir Superando.

Aproveitar o agora.jpg

créditos da imagem @IL

 

 

 

3 anos de Londres

Hoje faz 3 anos que embarquei na maior aventura da minha vida e cheguei a Londres. 3 anos e um livro cheio de doces memórias. Londres fez de mim uma pessoa melhor, definitivamente. Foi em Londres que descobri capacidades de superaçāo que desconhecia ter. Londres tornou-me uma pessoa resiliente, mais capaz. Londres ensinou-me a ser persistente e acreditar genuinamente naquilo que me faz mais feliz.

Londres ensinou-me a aceitar a multiculturalidade como uma riqueza de conhecimentos. Londres ensinou-me que é possível acreditar em impossiveis basta darmos o melhor de nós. Londres ensinou-me que é possível ter duas casas, aquela onde nascemos e aquela que nos acolheu. Londres ensinou-me que é possível viver sem o julgamento dos outros, sem a constante análise do que vestes, do que fazes, de quanto dinheiro ganhas, porque isso nao interessa nada. Mesmo que saías de casa feia ao olhos dos outros o que interessa mesmo é quanta felicidade interior levas dentro de ti . Em Londres aprendi a olhar para mim. Que venham mais três, mais três e ainda mais três !

london best photo.jpg

créditos da imagem @CL Numa das melhores vistas de Londres há 2 anos atrás.

Depois da tempestade...

Há dias que parece que a vida se esqueceu de nós. Há dias em que a tempestade parece teimar em não querer sair sobre as nossa cabeças. Há dias em que só vemos o menos, o mau e o feio. A semana passada foi assim, apesar de querer muito tirar a cabeça da areia, sorrir ao mundo e aproveitar apenas as boas energias, não deu. Caí, desanimei e chorei. Esta foi uma nova semana em que prometi a mim mesma que tudo irá dar certo, que terei agilidade suficiente para dar o salto e sorrir, sorrir e sorrir, mesmo que sinta o coração a doer e a mente peça para hibernar. Sei que não posso ceder, sei que não posso ser negativa e sei principalmente que não deverei deixar abater pela incerteza das decisões. Afinal, as decisões certas dão alegrias e as erradas dão aprendizagem. Agora é esperar para ver o resultado, mas entre alegria e aprendizagem uma ficará, e qualquer uma será positiva. Afinal, superar também é reconhecer os nossos erros e querer e ter vontade para fazer melhor e diferente.

Nem de propósito, e sem combinarmos, a CL já tinha esta semana mencionado a Sofia Castro Fernandes, do Às 9 no meu blog, no nosso facebook e agora depois de toda esta tempestade, parece que a querida Sofia escreveu intencionalmente para mim, mesmo sem me conhecer, claro! Quem segue a Sofia e sua escrita, cheia de boa energia e esperança, identifica-se sempre com algum dos seus post's. Esta mensagem foi direitinha à minha mente e ao meu coração.

12074719_975814692486427_5024276380747036366_n[1].

créditos imagem Às 9 no meu blog

Supera-te na alimentação

Desde que cheguei a Inglaterra que mudei radicalmente a alimentação. Como é conhecido os ingleses não primam pela boa alimentação. Eles por norma não cozinham e tudo o que se encontra nos supermercados é pré-feito ou embalado. Uma das primeiras alterações que fiz na alimentação foi reduzir o consumo de carne. As carnes que se vendem no supermercado não têm qualidade e são como tudo o resto embaladas. Eu sentia-me mal fisicamente quando comia carne. Por este motivo 90% dos pratos que cozinho são de vegetais ou peixe. Recentemente e porque desde nova que tenho um problema de acne que não consigo controlar sem tratamentos decidi ir mais longe e reduzi o consumo de glúten e açúcares refinados. Esta redução exige que se cozinhe quase tudo em casa. Os produtos sem glúten e isentos de açúcar que se vendem no supermecado tem imensos quimicos que não são aconselháveis. Porém para quem trabalha 10 a 12 horas diárias nem sempre é uma tarefa fácil. Procuro sempre cozinhar ao fim de semana para usar durante a semana e o meu objectivo a curto prazo é deixar os açúcares refinados. Na realidade esta alimentação melhorou muito o meu organismo e o acne está agora muito mais controlável. Entretanto tenciono partilhar aqui este processo e algumas receitas que vou confeccionando.

Os sites que costumo usar para a confecção das minhas receitas : http://www.diascommafalda.com/

http://deliciouslyella.com/

Os livros:

image.jpg

cover-blog.jpg

Ser professor em Inglaterra

Saí de Portugal, não por absoluta necessidade, saí por opção.É um facto que estava desempregada, mas tinha um projecto profissional que me poderia manter ligada ao ensino. Adorava ensinar mas estava cansada, desmotivada e revoltava com o rumo que o ensino e que o país estava a tomar. Portugal é um país onde cada vez se valoriza menos os professores, onde se destrói lentamente a escola pública e tudo o que a associa ao futuro do país. 

(Curiosamente é um país cujo sistema de ensino tem inúmeras potencialidades, mas que ninguém valoriza porque o que é de fora é sempre melhor.)
O meu companheiro repetia todos os dias que era preciso arriscar, mudar, viver novas experiências e quem sabe ter uma vida melhor. 
Escolhemos um país onde não tínhamos ninguém, mas com o qual nos identificávamos muito, pelo seu acesso à cultura, que tanto gostamos, pelo espírito da cidade multicultural e porque é um facto, em Londres é difícil sentir-se  emigrante, porque o espírito da cidade nos faz sentir como se tivéssemos vivido nela por quase toda a nossa vida. 
O motivo final que me/nos levou a mudar foi a possibilidade quase única na Europa de continuar a trabalhar como professora sem grandes burocracias. 

Ser professora em Inglaterra, não é de forma nenhuma a mesma coisa que o ser em Portugal. É preciso reaprender métodos de ensino e estratégias de gestão de comportamento. É preciso estar preparado para encontrar em cada escola uma maneira diferente de fazer as coisas. É preciso ter um espírito aberto e aceitar que nem sempre se faz é o melhor para os alunos, mas sim para mostrar a quem está de fora.  Dar aulas em Inglaterra é constatar que a Inglaterra não tem um dos melhores sistemas de ensino da europa, como se vai lendo aqui e ali. 

Ser professor em Inglaterra é tal como em Portugal  "dar o corpo ao manifesto", trabalhar muitas horas e isso pode significar começar ás 7.30 da manhã e terminar ás 6 da tarde, ininterruptamente. 
 
Porém, ser professor em Inglaterra é também ter férias de 6 em 6 semanas, é ter contacto com uma multiculturallidade de alunos absolutamente fascinante, gerir o biliguismo e ás vezes trinlinguisnmo dos nossos alunos, é poder criar recursos dinâmicos e interactivos sem a obrigatoriedade dos manuais e é ter a possibilidade de ensinar o curriculo inglês que é adoptado por todo o mundo e que consequentemente nos abre portas  para ensinar no mundo inteiro. 

Ser professor em Inglaterra é um desafio que nos obriga a superar-nos a nós mesmos, que faz de nós pessoas mais resilientes e com mais abertura de espírito.É fazer-nos acreditar que "tudo vale a pena quando a alma não é pequena".  

 

 



 

10 +1 coisas que ninguém nos diz sobre viver lá fora

1. É terrivelmente difícil emigrar e os momentos que vivemos quando o fazemos são dos mais difíceis que passamos na nossa vida.
2. Os outros países não são perfeitos como nos querem fazer parecer e em Portugal passa-se uma ideia falsa de que o que é estrangeiro é que é bom.
3. Quando vivemos lá fora ficamos como uma clara noção de que Portugal teria tudo para ser um país de topo. Não o é porque foi e é muito mal governado.
4. Emigrar ensina-nos mais sobre nós próprios sobre as nossas capacidades do que alguma vez imaginamos.
5. Emigrar devia fazer parte do curriculo de qualquer jovem entre os 20 e os 40 anos: porque nos abre muitas portas no nosso país e no país que nos recebe, porque nos alarga os horizontes, porque alarga a nossa capacidade criativa, porque nos cria uma qualidade que se chama resilência, porque nos dá a segurança para um dia usufruir em pleno da beleza do nosso país.
6. Emigrar é também adaptar-se a uma nova cultura e isso traz-nos mais algumas dificuldades ao tão difícil processo.
7. Emigrar é também uma adaptação a um novo ambiente e a um novo clima e isso traz-nos alterações físicas como cair o cabelo ou as unhas.
8. Emigrar tem momentos muito difíceis que são muitas vezes um teste à nossa personalidade e á nossa capacidade de superação.
9. Emigrar traz-nos  uma generosa recompensa de reconhecimento das nossas habilidades e de crença num futuro de crescimento.
10. Durante o primeiro ano de emigração passamos por uma fase de muitas dúvidas que nos levam somente a duas decisões voltar ou ficar. ( Não é geral, mas acontece com a maioria)

10+1 Díficil é dar o passo a primeira  vez, depois disso queremos sempre mais e estamos sempre à procura de uma nova aventura.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D